sábado, fevereiro 05, 2011

O rio Lis

é a principal fonte inspiradora do meu imaginário infantil, mais até, confesso, que o próprio mar, do qual nasci, aproximadamente, a escassos quarenta metros de distância.
É que durante a escola primária, na parte da tarde, à saída, o destino não era a casa, mas o rio. Lá para a zona do cais do ribeiro da tábua, o silêncio da vegetação ripícola contrastava com dez ou vinte garotos a tomar banho na maré vazia do rio. E a água era bem mais quente que a do mar. Era já da poluição, dizem. Talvez por isso, digo com piada, tivesse crescido tanto.

Por isso, ao vê-lo agora mais cuidado, mais limpo e, como a foto demonstra, mais aprazível, não posso deixar de me reconfortar com isso.


João Paulo Pedrosa