terça-feira, março 09, 2010

A grande conclusão

e única que já se pode tirar das audiências da Comissão de Ética, sobre a existência de um plano do governo para controlar a comunicação social e ouvidos todos os intervenientes até ao momento, com a presença, note-se, de todas as personalidades que destilam veneno sobre o primeiro-ministro e o governo do PS, foi dada hoje, para grande incomodidade dos partidos da oposição, pelo presidente da PT, Henrique Granadeiro.
"Foi Nuno Morais Sarmento, ministro do governo PSD de Durão Barroso e Santana Lopes, que tentou condicionar a minha actitidade de presidente da Lusomundo, exigindo-me, respectivamente, a saída de três directores de jornais".
João Oliveira do PCP, Cecília Meireles do CDS e João Semedo do BE (este, desorientado, ainda foi em auxílio do presidente da comissão) nem queriam acreditar, estava lançado o bumerangue sobre a política espéctaculo da oposição.
Num dia dominado pelo recurso aos ditados populares é caso para dizer, também, quem com ferros mata, com ferros morre. E aqui já morreu uma Comissão de Inquérito.



João Paulo Pedrosa