domingo, fevereiro 21, 2010

As pessoas decentes também têm limites

O João Galamba convidou-me para participar no Simplex sem fazer a mínima ideia de quem eu era. Podia ter-lhe estragado, ainda mais, a vida dos últimos dias. É que eu de facto era assessor ou lá o que isso é, tinha acesso a informação sobre matérias da governabilidade (sobre saúde, sobre educação, segurança social, etc, etc), aliás, como é normal ter dadas as minhas funções partidárias. Para quem não sabe, é normal fazer política com base em informação, se possível informação correcta e fundamentada, a população agradece o rigor.
Se eu tivesse usado essa informação, lá estava o Galamba a comer por tabela.
Ora acontece que no Simplex o que me apetecia mesmo fazer não eram as intermináveis discussões sobre os números (as décimas) do deficit orçamental. A "balança do ourives" não é, de facto, o meu interesse de discussão política. No Simplex atirei-me ao BE, essa degenerescência populista que ameaçava a esquerda moderna e moderada.

Isto só para dizer que muita paciência tem ele em não partir a tromba a certos gajos.



João Paulo Pedrosa