domingo, janeiro 10, 2010

Falta de investimento rodoviário no Pinhal Interior nos últimos 25 anos é um "escândalo", diz Sócrates


Ansião, Leiria, 10 Jan (Lusa) -
"O primeiro-ministro José Sócrates classificou hoje em Ansião de “escândalo” a falta de investimento rodoviário na zona do Pinhal Interior nos últimos 25 anos, considerando um acto de justiça a concessão de construção e requalificação de vias, hoje adjudicada.
“Este é o momento em que o País faz justiça à zona do Pinhal Interior" que "constituía, no quadro das acessibilidades rodoviárias, um buraco negro onde nada acontecia há décadas”, disse o primeiro-ministro na cerimónia de adjudicação da concessão ao consórcio Ascendi.
“Há 25 anos foi aprovada a primeira proposta de Plano Rodoviário. Há 25 anos que o Estado disse ao Pinhal interior que iríamos construir estas acessibilidades e nada foi feito”, situação que classificou de “escândalo”.
Disse ainda que as acessibilidades rodoviárias hoje adjudicadas “correspondem aos mínimos exigidos em termos de segurança e conforto”.
“Não é um luxo”, frisou.
“Aceitou-se, durante décadas, que um conjunto significativo do país, uma região que tem concelhos de quatro distritos, ficasse assim desprezada e até um pouco humilhada do ponto de vista do investimento público perante o resto do país”, continuou.
A concessão Pinhal Interior engloba 22 concelhos en quatro distritos e tem um extensão de 567 quilómetros, 173 dos quais de construção de novos lanços.
Estes respeitam ao IC3 (Tomar-Coimbra), IC8 (entre Proença-a-Nova e a Auto-Estrada A23) e a ligação entre aquela via, na zona da Sertã até Cernache do Bonjardim.
Os novos troços a construir incluem ainda a ligação da Sertã a Oleiros (EN 238) e a Estrada Nacional 342 entre a Lousã, Góis, Arganil e Côja.
Dos 173 quilómetros de lanços a construir, 80 terão perfil de auto-estrada.
A concessão, por 30 anos, representa um investimento total de 1.244 milhões de euros e engloba ainda 135 quilómetros de vias a requalificar, incluindo a variante de Tomar (IC3) ou os troços do IC8 entre Pombal e Ansião e entre Pedrógão Grande e Sertã, entre outros.
Integra ainda a manutenção e exploração de 259 quilómetros de estradas já em serviço.
Na sua intervenção José Sócrates lembrou os nomes de povoações servidas pela concessão agora adjudicada - Alvaiázere, Ansião, Pampilhosa da Serra, Oleiros, Sertã, Proença-a-Nova “e até o Troviscal” - defendendo que “é altura do País conhecer melhor estes nomes”.
“Se há boa razão para lançar esta concessão é a ideia que durante anos estes nomes e estas terras foram esquecidos pelo Poder Central”, sublinhou.



JLS/Lusa



OC