domingo, fevereiro 24, 2008

Pérolas da reunião de câmara

Na quinta-feira passada estava agendada a cedência contratual da empresa de recolha de lixos para outra empresa. Estamos a falar de um contrato de muitas centenas de milhares de euros. Chegados a este ponto estabeleceu-se o seguinte diálogo:

A Cascalho: - "Artur sabe alguma coisa disto ?"
A Oliveira: Resposta pronta e decidida, -"não! não faço a mínima ideia".
Espreito o processo e vejo lá a assinatura dele.
Questiono: -"mas o processo está assinado por si!"
Resposta: -"Não me posso lembrar de tudo o que assino!.

Palavras para quê é um artista português!

Triagem de Manchester

é a fórmula utilizada na urgências hospitalares, seriando os doentes pelo grau de perigosidade da doença. Disseram-me um dia destes que este método está a ser utilizado no gabinete do vereador Cascalho (presidente da câmara em exercício). Vai-se à secretária, depois à adjunta e a seguir à chefe de gabinete. Por fim a resposta vem, o sr presidente não pode atender. Nos hospitais, embora tarde, todos são atendidos.
Diz-me, logo a seguir, outro munícipe: "atender para quê se ele não decide nada ? Pois!



João Paulo Pedrosa

domingo, fevereiro 17, 2008

Haja Esperança...

Espero que o "Diálogo Imaginário" que se pode ler abaixo...se transforme em realidade.
Cá por mim, já estou farto de ver prometido que "vai a reunião de Secretários de Estado na próxima 3ª feira e a Conselho de Ministros na quinta..." E até agora, nada!
Mas como "o diálogo" se passou com quem imagino, admito que, finalmente, se desbloqueie o imbróglio da Zona Industrial. E ainda bem, porque, por mim, já não haveria mais telefonemas...a fase seguinte seria a do Requerimento ou da pergunta directa em Plenário...
Mas pouco importa, antes tarde do que nunca.




Osvaldo Castro

sábado, fevereiro 16, 2008

Diálogos imaginários, ou não!

-Tens que resolver o problema da zona industrial, não custa dinheiro!

- Sei muito bem, era a permuta de umas dezenas de ha de pinhal. Resolvi isso e o "vacão" ainda perdeu as eleições!

- Desculpa, mas o vacão sou eu! Agradeço a boa vontade, mas não está resolvido.

- Não ?

- Não !

- Até a ti te enganam, há mais de um ano mandaste dizer que era até ao fim do mês, daquele mês.

Disca um número de telefone visivelmente irritado.

Ó fulano, estou em estado de choque (conta-lhe o assunto com voz grave e firme), do lado de lá presume-se que não há respiração, tão pouco murmúrio.

- Quero isso 5ª feira em conselho de ministro. Resolvido!

- Desculpa, afinal não te ajudei tanto como tinha pensado.

- É por estas e por outras que o Estado se desprestigia. Que vergonha!




João Paulo Pedrosa

segunda-feira, fevereiro 11, 2008

AI TIMOR....

De acordo com as últimas notícias da madrugada, o presidente da República de Timor-Leste, Ramos Horta, foi atingido a tiro na zona do estômago, ainda que sem gravidade, por forças rebeldes, comandadas pelo Major Reinado e que cercaram o Palácio presidencial.
No decurso da troca de tiros o líder rebelde Reinado foi abatido por elementos da segurança de Ramos Horta.
Por sua vez o 1º ministro Xanana Gusmão terá sido alvo de uma emboscada montada pelas mesmas forças rebeldes, da qual escapou ileso.
Ramos Horta, ainda de acordo com notícias provenientes de Timor-Leste, terá sido transportado para um hospital australiano.
Segundo correspondentes da comunicação social portuguesa, que se mantêm em Dili, não havia notícias de quaisquer outros distúrbios na capital de Timor-Leste.





Osvaldo Castro

terça-feira, fevereiro 05, 2008

Marinha Grande é o 16º concelho no Índice de Qualidade de Vida

Como se pode ler aqui, dentre 308 concelhos do país, a Marinha Grande ocupa uma muito honrosa posição no concernente ao Índice Concelhio de Qualidade de Vida. Na região Centro, onde se insere, só as capitais dos distritos de Aveiro e de Coimbra precedem a Marinha Grande, e no caso de Coimbra por muito pouco.

Os índices que serviram como base de estudo ao Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social da Universidade da Beira Interior têm como base o ano de 2004 e entre centenas de variáveis referem-se ao produto interno bruto, consumo, mercado de emprego, disponibilidade de bens culturais, lazer e desporto, ambiente, economia e parque habitacional, entre outros.

Ou seja, o concelho da Marinha Grande é dos melhores concelhos para viver e trabalhar no nosso país.

Como todos se recordam, em 2004 e nos 11 anos anteriores a Câmara esteve entregue pelos eleitores à responsabilidade de Álvaro Órfão e do Partido Socialista...

É também por isso que "a pesada herança" de que tanto falam certos líderes autárquicos do PCP e do PSD, está mais que visto, é antes uma herança de desenvolvimento e de melhoria da qualidade de vida dos cidadãos que cá vivem e trabalham.

Mas creio poder asseverá-lo se os índices se reportassem a 2007 não estaríamos de certeza no lugar honroso que o Estudo da UBI aponta.

Tudo porque a Marinha Grande está paralisada e estagnada no que toca à acção autárquica da coligação PCP/PSD que actualmente lhe dirige os destinos.
Também por isso, só teria ficado bem ao presidente da Câmara, nas declarações que prestou ao "Jornal de Leiria", ter procurado esclarecer que em 2004 e nos anos precedentes era o PS quem dirigia o Município, ao invés de ter tentado "colar-se" a méritos que, de todo em todo, não lhe cabem

À consideração dos marinhenses,vieirenses e moitenses...





Osvaldo Castro

Do frenesim nervoso à falta de sentido de estado...

Um deputado algarvio, presidente da Comissão Política do PSD Algarve, comparou recentemente a ASAE à PIDE, coisa estapafúrdia e chocante não apenas para os que conheceram as torturas daquela sinistra polícia política, mas também para os familiares dos que foram mortos pela PIDE.
Além da falta de senso, o que tal atitude não deixa de revelar é um grosseiro desconhecimento das funções cometidas por lei ao órgão de polícia criminal e de segurança económica e alimentar que é a ASAE. Mas nem viria mal ao mundo da fala do deputado algarvio, se se tratasse de uma acção destemperada, mas isolada.
O problema está em que do CDS ao PSD parece haver uma acção concertada visando pôr em causa o papel e a actividade que a ASAE exerce em defesa dos consumidores, nas áreas da segurança alimentar, na luta contra a contrafacção e nas mais diversas infracções de natureza económica.
Admito que se possa estar em desacordo com a excessiva mediatização que o Director da ASAE imprimiu ao modo de agir da instituição e ao seu próprio protagonismo pessoal…mas daí a confundir e a procurar condicionar o papel, também preventivo, que as acções da ASAE devem revestir, vai a diferença entre “germano” e “género humano”. Ou seja, trata-se de coisas assinaladamente diferentes.
Para falar com franqueza nem sei bem o que move este frenesim de aparecer nas notícias, nem que seja pelo mais baixo dislate. Não há uma réstia de sentido de estado?



Osvaldo Castro
(parte de crónica que publiquei no "Jornal de Leiria" de 31 de Janeiro de 2008)